quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Meu Natal é às avessas.

Como me despir de um sentimento do qual, todos estão  imbuídos dele??? Pois é, perdi a alegria do Natal  desde quando descobri que Papai Noel não existia, isso por volta dos meus cinco, seis anos. Até então acordava no dia vinte e cinco correndo para olhar embaixo da cama os presentes que Papai Noel havia deixado pra mim. Exaltante, serelepe, saltitante saía gritando contente pela casa que Papai Noel havia me presenteado com bonecas, com caixas de biscoitos, etc.Um dia alguém matou o Papai Noel em mim. O tempo, graças a Deus me fez esquecer quem foi essa desdita, essa pessoa   destruidora de sonhos. Depois desse tempo, quando escutava que o Natal e o final de ano estavam próximos, me batia uma tristeza e ela nunca mais deixou de me acompanhar nesses periodss. Não sei  explicar ao certo como foi esse processo de desencanto e de troca de sentimentos. Acho lindas as luzes, enfeites, músicas e tudo mais que envolvem as festas natalinas mas em meu coração não há alegria. Confraternizo-me com minhas amizades, minha família, me arrumo, me enfeito como pede a ocasião mas não tenho alegria. Ao contrário fico deprimida, encolhida, reservada, expondo-me só  nas festas mas de um modo  artificial, de fora pra dentro, quando deveria ser ao contrário. Minha mãe nasceu no dia 25 de dezembro e ela, para se vangloriar, que tal qual Jesus, nascera  na exata hora que o galo cantava, anunciando que era meia noite. Meio impossível um galo interiorano cantando a meia noite em ponto, mas todos fingíamos que acreditavamos no que ela contava. Eu achava interessante esse orgulho que ela estampava e com isso comemorávamos a véspera e o dia de Natal como se ela fosse o próprio menino Jesus, mas nem isso me alegrava de fato. Era uma alegria imposta pelas circunstâncias, pelas presenças, mas não era sincera, expontânea como costuma ser minha alegria. Minha mãe se foi doze dias antes do Natal e daí não me senti mais na obrigação de transparecer uma alegria que nunca tive. Piorou a tristeza com a partida dela, mas não foi a causa, foi mais um motivo. Assim, quando me desejam muita alegria nas festas de final de ano, abro meu coração para que, de fato, ela aconteça. O espírito de natal não habita a minha morada, meu corpo, minha alma. Meus olhos refletem isso a cada ano e não entendo de onde vem tanta tristeza, tanta saudade do que não sei definir ao certo. Um sentimento estranho e controverso ao meu temperamento expansivo, alegre, extrovertido. Queria acreditar que no dia 1º de janeiro as coisas poderão ser melhores, diferentes, como as que almejamos, mas vejo-o como um dia como outro qualquer, em que acordamos, com as mesmas dores, as mesmas esperanças as mesmas metas com as quais despertamos   nos demais dias do ano. Lamento tanto não compartilhar de igual para igual com todos que vibram com esse período festivo..... mas não tenho alegria nessa época. Queria ganhar de Parai Noel, se ele existisse, claro, a minha alegria de natal, o meu entusiasmo ao romper do ano de volta. Mas Papai Nel não existe e eu não tenho alegria no meu coração nessa época.  Sinto tanto mas......não tenho!!!!!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Minh'alma

Perguntada sobre minha alma eu fiquei a imaginar: Ela é minha essência, minha tendência, minha tenência, meu querer, meu sobreviver, meu crêr, meu sentir, meu perceber, meu achar e meu perder. Ela é tanta coisa e eu não percebia, só agora é que me pus a ver. Ela se expande e me faz gigante, ela se encolhe e me faz recuar. Minha alma, subsistirá depois de minha matéria, etéria, efêmera, fêmea e frágil, passível de modificações e manipulações externas. Minh'alma é guerreira, mantém-se inteira, supera vendavais, mesmo acolhida por um corpo transitório, fulgaz, ela só será  mutável se ela se permitir. Busca  encontrar a sua gêmea que dizem perdida no mundo, por aí. As vezes, por meses, anos ou meros segundos julgou  tê-la localizado as vezes perto e outras longe de si. Uns  verdadeiros achados! Mas bastou um gesto, um sinal, uma atitude,  palavras amiúdes, uma brusca atitude e  concluíu, não sem desencantamento, que em nada se identificam, se completam naquele momento.  Separararam-se para não terem mais sofrimento.Segue, impulssiva, em busca do seu intento. Ouviu falar, também,  que mesmo gêmeas podem ter atitudes opostas, achou umas assim e elas lhes deram as costas. Cansada parou, refletiu e decidiu seguir ao vento, construindo sua gêmea em pensamento. Se em dado momento, de súbito, de sorte a encontrar, terá benécias a matéria que de contentamento e sensação de plenitude  se modificará; terá alegria a minh'alma pois se completará! Mas, se apesar de tudo isso for  mais uma broma. não adoecerá nem ficara em coma. Apesar de romântica ela  é segura, madura, consciente, audaz, não se engana com coisas que a ela  nada lhe soma. Não ficará parada descontente por não achar sua igual na alma de qualquer tipo de gente. Para se consolar olhar-se-á  impoluta, concluirá que não foi vã  sua luta e através dos olhos, suas duas janelas, ante um espelho se perceberar muito bela. Que até  o  momento da separação  entre ela e o corpo que a contém,  se bastarão a alma,   seu invólucro com um coração, coadunados, perfeitos, sincronizados como os  vagões  de um trem.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Deixa

Deixa.......eu usar esse restinho de tempo para dizer o quanto você representou pra mim

Deixa eu dizer que todo amor que você despertou em mim não foi em vão

Dizer que te amei com toda a força que há dentro de mim

Dizer que o pouco de correspondência deu alegria ao meu coração

Dizer, como já o fiz por tantas e tantas vezes, que amor igual ao meu nunca terás

Dizer que, como ser racional que sou, darei um basta nisso!

Terás meu amor e meu silêncio

Minhas preces e meu calar

Terás de mim esse compromisso

Só responderei a ti o que me for perguntado

Só falarei a ti sobre aquilo que por ti me for comentado

Não jogarei mais palavras ao vento

Não lamentarei pelo tempo, pela ausência

Não direi que pensei em ti em alguns momentos.

O que sinto ou sentirei ficará restrito, apenas, aos meus pensamentos

Se eu chorar, a ninguém darei o direito de saber porque ou por quem

Se insitirem e perguntarem, responderei enxugando as lágrimas e enfeitando a minha face com um leve

 e falso sorriso: Lamento, só interessa a mim e a mais ninguém, mas em todo caso...... chorei porque era preciso!!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Embriaga tua mente e me deixa contente

Tê-lo encontrado para em seguida perdê-lo
Ficar imaginando em que braços a está hora você está???

Irônica essa vida; provoca encontros e em seguida a partida.
Onde está o espirito de ponderação da vida??
Onde está a lógica de ter te encontrado e não poder estar ao teu lado?
Melhor seria imáginá-lo distante com destino errante,inatingíel, inconstante
Como os que me eram repassados antes
De que me valeu resgatar esse passado?
Pra sofrer por sabê-lo ou imáginá-lo a outra abraçado?
Que enquanto estou só tens outra ao teu lado,
que escuta tuas palavras, que recebe teus afagos, enquanto os meus braços estão carentes, meus pensamentos desolados meu desejo ardente
Malfadado destino ser esquecida por quem mais é lembrado em minha vida
Culpa do passado!!!!!
Bebe um pouco amanhã, quem sabe meu nome chegue aos seus lábios,vagueie em teu coração
Assim nossa paixão sempre  é lembrada, como efeito de tua mente embriagada
Para em seguida eu ser consolada com a tola frase: sabia que pensei em você?
Fogo que alimenta minha emoção,

Lenha fraca mas suficiente para manter a chama tênue de um amor envelhecido,
Aquecido ao menos pelo tempo em que a frase for lida e mil vezes relida ate a exaustão. 
Pra me convercer que não fui de todo esquecida.
Convencer-me que não foi mais uma peça pregada pela  vida
Lembre-se de mim, razão de meu querer, ao menos 1/3 do que lembro de você.

Cacos de sentimentos múltiplos



Procurei ser tão sincera, tornei tão transparente e fina as paredes do meu coração, que a sinceridade contrária, atirada contra ele, espatifou-o fazendo-o perder as suas formas, transformado o que foi o meu lindo e frágil vaso de sentimentos múltiplos em cacos. Paciente, recolherei pedacinho por pedacinho e no meu dia-a-dia irei remontá-lo, como num jogo de quebra-cabeça, sem dor, sem rancor, sem arrependimentos por tê-lo tornado tão transparente e tão vulnerável. Recomporei-o mesmo sabendo que depois de partido, ao reajuntá-lo, sempre sobrarão arestas, resultados das partes que se esfacelaram e tornaram-se impossíveis de serem apanhadas. Se nele restarem muitos vazios procurarei recontruí-lo menor, onde caiba apenas o essencial

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Sou Fênix


Estás dizendo para mim??? Logo eu, lembrar que a vida não é uma piada??? Isso sim é que é piada!!!! Já venci muitas adversidades, já superei tantas coisas na vida, umas com naturalidades outras em desespero, que tenho cátedra de como sobreviver sem deixar que pedaços de mim fiquem no caminho. O que nunca deixei foi de ter bom humor, até porque acho que o sorriso é importante até para disfarçarmos os momentos de tristeza. Também nunca brinquei com coisas sérias, mas acho que todos os fatos têm um lado positivo e me antecipo em procurá-lo e nele me apego para enfrentar as vicissitudes da vida. Não foi do nada que sobrevivi a tantos percalços que a vida me atirou na cara, muitas vezes gratuitamente, sem que eu achasse um motivo plausível para o que estava acontecendo. E continuo sobrevivendo, vivendo, e rindo sempre que houver possibilidade e for o momento certo. Sou e continuarei sempre sendo uma guerreira!!! Superei-me e me suplantei em muitas derrocadas e não me entrego por pouco. Luto e lutarei tantas e quantas vezes se fizer necessário, embora em algumas batalhas eu tenha tido vontade de parar de guerrrear, mas segui em frente lutando. Sou virginiana, perfeccionista, não sou avessa às mudanças e uso do jogo de cintura para driblar determinadas situaçãoes. Isso não é fazer piada, nem tentar rir da vida; é antes de mais nada saber sobreviver com dignidade , com capacidade de superação. Se brincar eu diria até que sou uma Fênix de tantas vezes que ressurgi das cinzas!!!!!!
                           

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Meu obstáculo





Hoje chorei como criança
Desabafei minhas desesperaças
Tive os olhos transbordantes como cachoeiras abundantes
E não me faltaram motivos para não parar de chorar
Consolei-me na certeza que nada é para sempre
Costumam, por vezes, dizer.
Entre lágrimas e soluços esparçados,
Tentei pensar no passado,
Onde tive tantos obstáculos ultrapassados
E não vai ser a essa altura da vida 

Que me darei por vencida
Nem aceitarei como adversário
Alguém que pra mim não é mais ninguém.

A estrela e ela

Ela se olhou no espelho e se achou diferente
Sua alma como em um flash passou a ser mais contente
Alma antes empedernida, triste, acabrunhada
Desencantada da vida
Deixava a moça acanhada, tímida, sem opção
Andava feito um cão adestrado
Sequer olhava pros lados
O rosto voltado pro chão
E de uma simples janela surgiu uma luz bem singela
Bateu direto na alma e a alma mudou-se nela
Ela correu para o quarto
Fez-se moça bem bonita,
Calçou um sapato de salto
Na cabeça de enfeite,
Pregou um laço de fita
Um vestido bem rodado,
Na barra todo bordado,
Com contas e muita renda
Parecia mesmo uma prenda.
Livre a bela moça correu faceira para o jardim
Dançava, rodopiava e pisoteava o jasmim
O odor era divino e o seu vestido bem fino
Voava ao sabor do vento
E bem nesse momento
Olhando pro firmamento
Sentindo-se de todas a mais bela
Ela olhou pra estrela
E a estrela piscou pra ela.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Mal-me-que, bem-me-quer

Ah! Não despetales a florzinha, tão linda a coitadinha vai falar do sim ou não??
Se mal te quer ou bem te quer, pergunta ao teu coração.
A flor só alegra a vida vai ficar, toda despida só por uma brincadeira?
Deixa disso, não faz besteira!
Você sabe muito bem,
A essa altura da vida se ele quer ou não te quer bem.
Usa essa flor no cabelo,
E te olha no espelho.
Vê que linda você fica!
Veja se você se ama isso é o que de fato importa,           
Se o amor está à porta isso já é outra história
Não haverá nenhuma glória no sacrifício da flor
Ou é ou não é amor.
As pétalas não dizem nada, ficam mudas, bem caladas
Você é quem acha o sim onde às vezes é não, enganando o coração.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Laço de um lado só






Amor unilateral, ponto sem nó pra fixar, laço de um lado só  que com pouco pode soltar, abraço sem calor, braços abertos sem se contrapor,  lembrança sem presença, espelho sem reflexo, palavras sem nexo,  peito ferido  por amar sozinho, coração acelerado, por um outro que nem em você está ligado.E quem fica do nosso lado?? O sonho solto, a amargura, a dor, a desventura. Coisa sem sentido, sem sussurros no ouvido, sem cheiros, sem paladar, sem mãos entrelaçadas, com olhos que olham para o nada.  Só uma certeza absoluta, que estas sozinha na luta, que sentes um grande vazio. E logo corre um arrepio, uma lágrima, uma tristeza. E como  chegou esse amor??? Ele chegou de mansinho, de leve, fez seu cantinho, aloujou-se onde estava vazio.Entrou assim de soslaio, sem sinais nem atrapalho, quando vi já estava no ninho.Não queria amor agora, não era essa a hora de ter nada de sentimento. Isso estava tão guardado quem acordou esse danado???? Sentimento atrapalhado páginas com linhas de um só lado. Volta amor, segue teu rumo, tu aqui não me farás bem. Eu quero ser de alguém;não amar com sofrimento. Quero amar rindo do nada., quero acordar de madrugada olhar  e ver alguém ao meu lado, bem juninho aconchegado. Não alguém imaginado, sentido, remontado, colando pedaços de dor, do vazio do calor, da ausência, da saudade do amor que não me aquece, amor que me esquece. Quero amor de açoites, daqueles de carinho, de pegada com jeitinho, que só quem ama sabe dar. Acordar de manhã cedo, olhar e vê-lo ao meu lado,  dar um abraço apertado, voltar a dormir e sonhar.Um dia eu chegou lá!. Tantas pessoas encontram porque não hei de encontrar??

terça-feira, 29 de novembro de 2011

A saudade me fez gargalhar


 Ah! Essa saudade que insiste                     
Em visitar meu coração
Eu já falei para ela, eu já insisti tanto
Que as tristezas eu as deixo pelos cantos
 Não as carrego comigo não.
Sabe o que ela respondeu?
- Não existe apenas saudade triste
Tem aquelas que existem
Fazendo-nos recordar bons momentos.
E eu fiquei parada por um tempo
E chegaram em meu pensamento
Lembranças de velhos carnavais
Onde o meu riso era plural
Eu cantava sem parar
Corria pelo quintal
Nada me preocupava e eu vivia a sonhar.
Lembrando das brincadeiras
Eu era menina arteira
E vivia a aprontar.
Ah! Saudade danada, me fizeste gargalhar!!!!!

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

O vai e vem que nunca esqueceremos

No vai e vem da vida encontrei uma pessoa que me é muito querida. Ela foi muito importante nas boas histórias da minha vida.Entrou como quem não quer nada e foi tomando acento em meu coração. Quando vi estava apaixonada.Mas existia alguém em minha estrada. Alguém com quem me relacionava e que no fundo, para esta, eu não representava absolutamente nada. Eu era, apenas, mais uma namorada. Coitada, estava sendo enganada!!!Dessas de levar o chamado "bolo"aos sábados e domingos.Toda arrumada, ficava esperando-o e  depois caia na cama chorando até de madrugada.Não deu em  nada.Sem um pingo de juízo eu resolvi enfrentar o perigo e recebi à porta a visita daquele que pensava, seria somente meu amigo,mesmo sentindo que estava por ele perdidamente apaixonada..E para que ele não visse que eu estava acompanhada, fiquei na porta indo de um lado pra outro,  quase dançando lambada kkk. E nesse vai e vem  eu despencava  para um lado  e para o outro, tentando impedí-lo de ver que no sofá havia um moço. Cômica se não fosse trágica a cena apresentada. Senti vontade de atirar-me direto pela sacada, envergonhada, encabrunhada, vermelha da papelada, mas a sacada era gradeada, não ia adiantar de nada.Não era para ser assim. Era pra eu estar sozinha, sentada, linda e esperando ser cortejada pela pessoa que mostrava que por mim estava muito interessada. E a coisa foi seguindo.Acabei o namoro com o enrolão. Era começo de ano, haveria uma festa de Carnaval, não era prévia de nada, tipo Baile Municipal. Mais um desencontro total. Eu estava no clube e ele não me encontrava. Meu Deus, que coisa mais engraçada! Diziam-me: Ele está com a camisa do Náutico...(torcemos  pelo mesmo clube)...mas nada. Não pulamos o frevo e sai do clube de madrugada. Passaram-se muitos dias, meses e anos, mas sempre sem ao menos esperar ele aparecia por lá, como que por encanto, surgindo no meio do nada. Com seu riso de criança, alegria no coração e cheio de esperanças. Aquele tipo bem bonachão. Declarava-se a mim em frente às crianças, eu era professora na época. Os alunos vibravam a cada declaração  que escutavam ele recitar. E gritava a todo mundo:É com ela que estou a namorar!!!!!Ah! Eu queria voltar lá, naqueles tempos  idos, era tudo tão puro, tudo  fazia sentido. Só não achávamos jeitos de sermos bem entendidos. Tínhamos a plena certeza que éramos muito queridos. Ele por mim e eu pelo doidinho varrido.Lindo, encantador, olhar cativante, ator de primeira linha  e adorava atuar como brincante. Na minha casa entrava quando e como queria. Quando minha mãe o via enchia o rosto de alegria.O tempo passou, tomamos rumos diferentes mas eu não me esqueço dele, nem ele se esquece da gente.Foi um amor diferente, que perpetuou-se de uma forma persistente.Mesmo que eu esquecesse esse amor ele não esqueceria da gente.Hei! Menino grande que me conquistou!!! De mim sempre terás amor, sempre vou desejar que estejas bem! Soubemos sempre conjugar o verbo amar. Eu te amo, tu me amas e um dia, se Deus quiser, ainda iremos nos encontrar, daremos um abraço bem forte como aqueles de antigamente, lembraremos do passado,falaremos do presente, daremos boas risadas e seguiremos em frente, cada um com seu destino, com nossas vidas diferentes. Ah! Que saudade da gente!!!!!!!

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Minha regra de vida

  Quero lutar para me fazer ser entendida. Não quero nada pela metade, no" compreendi mais ou menos". Eu quero o mais, o menos eu descarto, apago, deleto. Usei da ponderação, da aceitação impassível ao longo de parte da minha vida e restou-me, apenas, o que era muito e esse muito eu não quero estragar com jogo de palavras, de cobrança, de satisfações. Acredito que essa é uma posição que se eu já houvesse disponibilizado dela há anos atrás o quadro de minha vida estaria pintado com outra paisagem, com cores mais definidas. Não mudaria, como não mudei, minha essência. Essa mantenho-a imaculada. Quero amar sem reservas, odiar sem generalizar, perdoar sem querer ser a reencarnação de Madre Tereza. Quero perdoar com a certeza que não esquecerei o que me fez sofrer. Ser íntegra nas minhas atitudes, embora pague um preço caríssimo por ser assim. Vi e vejo meus sentimentos serem tratados de forma banal. Mas isso não me modifica. Me magoa mas não me destroi. Me reconstruo a cada derrocada, a cada queda levanto-me com mais vontade de caminhar, a despeito das dores no corpo,  das cicatrizes e dos sinais tatuados n'álma, provocados pelas quedas. Assim sou eu. Assim você me conheceu. Mantenho-me assim há longos 58 anos. Sei que não terei outros tantos para permanecer dessa maneira. Mais pra frente, certamente,talvez nem saiba  mais quem sou, mas enquanto a minha consciência se mantiver plena, nao direi intacta pois vez  por outra ela me falha, como ocorre com  qualquer pessoa que ultrapassou os 50, procurarei manter as coisas que me são caras. Não em termos materiais porque esses eu não dou valor. Digo das coisas sentimentais, espirituais, das que me fazem ser melhor, diferente de um monte de gente que vive para viver, seguindo regras e não se acrescendo do essêncial à vida: A qualidade de querer ser melhor. Pois eu quero isso! Quero estar conhecendo mais a essência do que as coisas, o cheiro das flores mais que o seu formato, cor e beleza visuais, certa que estou que um dia perderei a possibilidade de enxergá-las. Quando isso acontecer poderei remontar na memoria sua beleza valendo-me da memória olfativa, pelo simples recordar do seu odor. Assim farei com os sentimentos que nutro pelas pessoas. Guardarei-os como patrimônio pessoal e remontarei cada um deles ao lembrar-me do que a pessoa transmitiu em sentimento de amor e carinho para mim. Sua energia já impregnou meu cérebro e certamente o encontrarei, mesmo que a visão não esteja mais apurada, tantas e quantas vezes eu buscá-lo em meus pensamentos. Sempre terei a capacidade de remontá-lo sem mácula, sem defeitos, íntegro, pois é assim que eu armazeno aqueles que me foram e são caros, raros, únicos. Os defeitos são o de menos e esses eu ignoro, não registro. Simplesmente deleto!!!!!!

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O nome dele é Guilherme ( O Cantor)!!!!!

Era um dia de domingo. Não como um qualquer porque havia uma comemoração. Conversas soltas, risos das brincadeiras e de repente chega um teclado. Começa a música tocada e cantada  de um jeito displicente, com um cigarro entre os dedos anular e médio; diferente do trivial, apenas para manter os dois vícios: tocar e fumar. E falava-se que chegaria alguém que cantava como poucos. Não se fez esperar e chegou o cantor: Guilherme. Esse é o nome dele. Olhei pra figura e analisei-o sem dar muito crédito ao que estava sendo propagado. De compleição franzina, um rabo de cavalo colado à nuca, e um sorriso discreto. Ele pegou o microfone, virou o rosto e pigarreou dando sinais à garganta que iria começar a usá-la. E cantou!!!!!! Olhei-o novamente e não mais percebi aquela figura mirucha, magrinha, ele tornara-se um gigante. Uma voz marcante, linear e um cantar visceral, diria mesmo uterina. Sim ele é um homem, mas todo homem sensível  tem o seu lado feminino, cheio de sentimentos transmitidos apenas por almas  fêmeas, felinas. E ele brilhou, cantou, cresceu, num repertório que parecia estar marcado em minha mente. Músicas que me transportaram  para tempos idos; músicas da minha  geração, umas românticas, outras anos 80 e por aí foi. Cantei, cantei, encantada com a voz do cantor! Um gigante que surgiu no  exato momento em que ele começa a pronunciar as primeiras palavras de uma melodia. Pena que o Brasil seja um país de pouco reconhecimento aos grandes talentos. Adorei!!!!!! Tornei-me fã, elogiei e prometi pra ele que escreveria em sua homenagem. Ato tão pequeno para o tamanho do talento do homenageado. Valeu!!!!! Bravo!!!!! Guilherme você é o cara!!!!!!

Sentimento indefinido




 Se houvessem palavras eu o definiria, mas todas são palavras gastas e não definem nada. Ele é muito para ser definido. Ele é poderoso para ser comparado, descrito, delineado, medido ou pesado. Ele foi feito para ser sentido para nos deixar sem sentidos, felizes com nada por estar com ele. O Amor, incapaz de ser contido, de ser guardado, de ser garantido. Ele só pode ser sentido.... só sentido...sem sentido nas palavras usadas para expressá-lo. Ele está no brilho do olhar, no suar das mãos, no descompasso do coração, no pensamento em vão buscando o outro quando ele está longe.

sábado, 15 de outubro de 2011

Reivindicar é a solução.

Recebi um e-mail lindo que falava das coisa boas que haviam em tempos passados e, refletindo sobre ele, resolvi encaminhá-lo para meus queridos amigos com essa nota que escrevi e que transcrevo a seguir: Se prestarmos atenção, de fato, para esse e-mail, perceberemos que NÓS poderemos transformar a realidade atual se nos conscientizarmos que as mudanças que ocorreram nos tornaram seres menos possuidores de valores. Digo NÓS porque não sou exceção em nada! Eu, também tenho culpa no Cartório! Se as coisas chegaram ao ponto que estão é porque EU me calei, EU não levantei minha voz para que pelo menos uma meia duzia me escutasse e essa meia dúzia também reinvidicasse e assim a atitude tomaria a proporção de uma bola de neve mínima que escorrega acomulando mais e mais neve, tornando-se gigantesca, poderosa, devastadora. Mas me calei!!! Não reagi a nada! Me fechei no meu mundinho, como muitos fizeram, esquecendo que da minha atitude dependia a mudança do mundo em que meus filhos e netos iriam compartilhar, viver ou melhor, sobreviver. Sou da geração que levantou a voz pela liberdade sexual, do tempo das flores nos cabelos, das calças de boca sino ou saias longas estampadas, margaridas pintadas com delineador no rosto, da Era de Aquários, tudo muito colorido, livre,muito musical e olha no que deu: O sexo tornou-se banalidade e as drogas uma realidade cruel e devastadora! Nada de Paz e Amor como era o lema. A fé em Deus, hoje, é compromisso de poucos e a falta dela gera a violência que nos torna sobreviventes a cada dia que acordamos.Tudo se perverteu e tornou-se material. Ter, ser e poder foram os verbos que mais ouvi ao longo de minha vida. Mas eles poderiam ter sido conjugados com complementos como: ter respeito, ser digno, poder viver com descência. Mas eles são usado no modo imperativo material (que nem existe gramaticalmente falando).
Resta-me agora, a saudade, e uma vontade danada de mudar tudo que estiver errado e pra isso preciso que outros se unam a mim, juntos somos mais fortes!! Precisamos nos reorganizar, saírmos da cômoda posição de críticos para sermos atuantes. Termos a certeza de que nunca é tarde para transformarmos essa triste realidade em que nos encontramos. E as mudanças são possíveis SIM, basta lutarmos por elas!!!!! Pensem nisso!!!!!!

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Quer saber quem eu Sou???



Querem saber mesmo quem eu sou?                       
Eu lhes direi em forma de repente                                      
Antes de tudo eu digo que sou gente                     
Nada de novo nem de diferente                            
Vou te dizer tentando rimar                                                                          
Eu acho a rima um jeio de cantar                                                        
Lendo palavras que têm no final
O mesmo som, o mesmo terminal
                              
Minha família para mim é tudo
Amor, carinho, um abraço mudo
Ganhei três filhos, genro, netos e noras
E essa turma não deixo de fora
Os meus netos  são os meus tesouros
 Pedras preciosos, são barras de ouro
Ouro de lei, são minha riqueza
São fortes, saudáveis e também têm beleza.

                                                         
Sou bem alegre, sempre brincalhona                                   
Pise nos meus calos fico valentona                       
Durmo e acordo todo santo dia (claro)                     
Como você, seu pai, sua mãe e sua tia                   
Sou de sorrir mas também de chorar                         
Choro às vezes até soluçar                                         
Sou sensível, carente e muito amiga                          
Mas pago um boi pra não entrar em briga                

De formação eu cursei Direito
Foi por escolhe e por seu conceito
Na vida Tudo tem sua defesa
E educação não se põe à mesa
Tenho uma meta, uma finalidade
De ser bem franca e dizer a verdade
Não gosto, não aprovo nem admito
Essa tal de desigualdade
E preconceito, que está na lei e está bem escrito

Tenho defeitos como qualquer um                            
E como tantas outras eu sou bem comum                 
Meus gostos são sempre bem ecléticos                 
gosto de roque, samba e temas poéticos                     
Tenho certeza, sem dúvida alguma                          
Que não vim ao mundo pra ser qualquer uma         
Rimo falando, gosto de cantar                                   
Ouço piadas mas não sei contar

Por fim descrevo o meu coração
Não sou hipertensa, não sofro de pressão
Houveram fatos ao longo de minha vida
Que me deixara, triste, fraca, deprimida
Mas o remédio para essa dor encontrei na vida
Achei no amor , numa vontade louca, desvairida
De viver amando e amar a Vida.
Amando, amada, querendo e sendo querida.
 
Faltou a idade essa é importante
Não invento data, ela é inconstatante
58 e vou seguindo em frente
90 se estou triste, 15 se contente
7,8 se estou com os netos
Eles me tornam o ser mais completo.
A idade muda conforme o momento
Nunca é a mesma, quem manda é o pensamento.

                          Eu sou de virgem, imagino isso e não sinto vertigem !!







                                  .

                              

Sonhar é minha fuga




Fecho os olhos com os pés firmes ao chão ou deito-me num canto junto à solidão. Sonhos bons, pequenos, grandes sonho de todos os tamanhos. Assim com calma eu engano a mágoa que ora insiste em me atormentar. Sonhar ainda é o melhor remédio que nos tira da dor, que engana o  tédio. Imagino cenas, paisagens, situações, viagens, enxergo o encontro de dois  corações. Sonho viver uma vida diferente, respiro fundo e saiu do presente vou pra um  futuro gerado em minha mente ou pra o passado que me deu presentes. Nesse momento não me importa nada, nem que minha vida esteja toda errada, que não seja a vida  por mim planejada. Sonho porque sonhar não custa nada. Sonho até que estou apaixonada, sonho com céus azuis e com verdes campos, com belas árvores dando sombras ao campo. Sonho tanto com meus velhos sonhos. Eles que eram desejos tão tolos, tão simples, tão singelos. Mas todos eram os sonhos mais belos  que uma inocente podia imaginar.Uns eram belos porém impossíveis, outros mais simples e bem atingíveis, mas todos eram fáceis de sonhar.Eram de quando eu achava que o que eu sonhava uma dia iria virar realidade. Eu achava  isso de verdade!. Claro que vários sonhos  eu realizei, outros nem lembro,eram tantos... nem sei. De uma coisa eu tenho certeza que muitos deles nem de longe alcancei. Mas isso não me faz desistir da quimera, do  beijo doce, das flores da primavera, da chuva forte dando cheiro à terra, do amor ardente, de vencer uma guerra, até da força de nadar contra a corrente.  Sou sonhadora e isso me ameniza, surte o mesmo efeito que causa a brisa  batendo leve sobre uma gota de orvalho.Ela escorre e fica mais bonita, um fio fino, com brilho de fita, com uma bola a se pendurar. Sonho com rosas, flores multicores, sonho que na vida ainda existem amores e que os meus sonhos ainda curam dores. Sonho o sonho de uma mulher gestante que em seu ventre carrega radiante a semente de um amor completo. Sonho a espera do filho dileto, sonho o gesto cândido, doce  e divino de amamentar aquele ser divino  que no meu ventre desde pequenino, por tanto   tempo pude carregar. Deus é tão pleno, perfeito e calculista pois a distãncia,  entre a minha  e a sua vista é a medida exata de sentirmos nosso amor. Dessa distância percebo o lindo brilho, as palavras ditas apenas pelo olhar. Alegria do acalanto, da certeza que aquele canto, aquele colo é o melhor lugar. Sonho de tudo e volto de leve à terra, mais preparada pra enfrentar a guerra do dia-a-dia, que se apresenta. Abrindo os olhos eu  enfrento as coisas ditas as boas ou as malditas. E se  de repente a angústia, a  dor ou a tristeza achar que em mim farão sua fortaleza, certamente fecharei  bem forte os olhos, de pé ou  deitada no solo,  serrarei bem forte os meus olhos e me porei  de novo a sonhar. Ah! como é bom sonhar!!!!!!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Indefin..............IDA

Não só os artigos são indefinidos, são também as lágrimas, os beijos e os gemidos, os sorrisos,  os sentimentos  e os sentidos, o som do vento soprado  aos meus ouvidos. Não consigo definir a sensação que hoje habita o meu  forte e carente coração. Não sei se ignoro, ou dou a outra face, se me apresento simples ou com disfarce, com certeza ou presunção, diante daquelas míseras pessoas que   tentam fazer da minha vida uma eterna indefinição. Ora há uma guerreira pronta pra saltar do  meu peito e eu nem mesmo sei direito que batalha terei que enfrentar. Sinto-me, as vezes,  pronta para a luta, me sinto forte, disposta,  resoluta.  Mas estou pronta pra  lutar qual luta? Indefinida, dou um passo atrás, titubeante eu já nem sei ao certo   se vou à luta ou se peço paz. Lutas contrárias, desonestas, desiguais. entre os que não têm nada contra os que têm demais. Luta  da inteligência contra a força bruta, a  do amor no peito contra o desamor?  Será isso mesmo uma luta? Uma honesta e franca disputa?? Nessas  não quero entrar, corro, me escondo,  me rendo, bato em retirada, sou covarde para essa guerra de nada.    Lutas injustas, contraditórias, nenhuma delas vale a vitória. Nenhuma delas nos tornam mais capazes. Lutas que nos fazem  quase animais, feras  covardes caçando bichos doentes, capengas....caças decadentes,  fracas, impotentes, incapazes de em defesa mostrarem seus dentes. Luta de saciados contra quem não tem nada na barriga, briga de pessoas sãs com outras  combalidas. Indefinida essa nossa vida! Quem é capaz de distiguir  ao certo se é miragem ou se é oásis  o que se vê no ferver do deserto? Quem define sem titubear, com a certeza que não vai errar, de relance, num simples olhar, se  uma lágrima é alegre ou sofrida?  Elas são iguais até na caída, no rolar na face, na descida, indefinidas não nos dão sinais.  Lágrimas brotam dando vazão à alma, umas ligeiras, outras com muita calma.  Indefinida, vida indefinida! Cheia de lágrimas que banham nossos rostos, de surpresas, lutos, vibrações e desgostos. Vida cheia de becos, muitos sem saída, de avenidas, de encruzilhadas que nos desnorteiam a caminhada, que nos fazem saber que na vida  nada é nada.Não há   mapas bem delimitados e que sempre existe a dúvida do certo e do errado.  Umas coisas têm, outras  não têm motivo. Não sei se o que escrevo tem ou não sentido. Só sei que sigo a minha caminhada, ora sozinha, ora acompanhada, com  a certeza que não sei de nada e com a dúvida se me dão ouvidos.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Brincando com a vida.

[bonecosArt_70758_meninaFlor.gif]Já entendi tudo. Você está brincando, não é?? Essa maneira como você age comigo só pode fazer parte de um jogo. Se é assim entenda que eu cresci e você também cresceu. O tempo de brincar já passou, morreu. Porque você insiste nisso? Vou usar uma linguagem infantil pra vê se você  compreende, pois no meu português maduro você se faz de surdo-mudo. Melhor isso: Cessou!!!! Tô na mancha!!!! Toquei!!! Compreendeu????  Nem entendo do que você está brincando. Não sei se é de se esconder, de estátua, de "tô de mau" ou do quê??? Me explique! Não quero continuar, já te disse! Sou alegre mas não nasci pra ser palhaça. Por acaso estou com o nariz pintado de vermelho?? Deixa eu me olhar no espelho.Não vejo nada! Minha cara está lavada, limpa, descaracterizada de qualquer personagem que sirva pra fazer piada. Se  é de pega a brincadeira, estou muito atrás de você. Se for de queimado os seu ataques já me tosquiaram a alma e muitas vezes fui para o fim do campo, chorar meu pranto e você nem ligou. Não gosto disso!  Eu te avisei mil vezes. Não foi esse nosso compromisso. Gosto de rir, de me divertir; mas não de ser passada pra trás. E você acha graça do que faz?? Não há motivos pra risos. Cansei parei, não uso guisos. Nem sirvo pra bobo da corte. Sou gente, sentida com alma doída. Minha vida já foi um carrocel, uma montanha Russa, foi até túnel do amor e câmara de terror, foi até brincadeira de passar o anel. Foi sim!! Te asseguro! Hoje, não quero brincadeira. Quero viver da minha maneira, estou farta de baboseiras.Eu juro! Me iludi com as suas juras que irias ladrilhar a rua só pra me ver passar e nada fizesse pra melhorar meu caminho nem meu caminhar. Roubaste meu coração e sequer deixaste eu entrar no seu. E veja no que deu! Nem precisei entra no bosque pra encontrar o anjo que se chama Solidão, achei-o há tempos, vindo direto em minha direção. Sinto-me no meio de uma roda, de olhos vedados, tentando alcançar alguém que foge de mim.... enfim, não alcanço ninguém, Que pena! No início não era assim!!Encontrei na vida tantos cavalheiros e mesmo sem me chamar Terezinha de Jesus, eles me estenderam a mão e eu nem estava caída ao chão. Mas não eram as mãos deles que eu queria. Queria a sua companhia, para sentados olhar a lua e ver amanhecer o dia,  segurando firme a sua mão. Não quero mais brincar de nada! Nem de pular amarelinha na calçada, de barra bandeira ou da dança das cadeiras.  Essa eu brinquei e restei sozinha, sentada, arrodiada do nada, perdida nos sonhos e chorando a desilusão de não ter sido agraciada com o abraço da pessoa mais amada, por ter ganho a brincadeira. Tudo isso já passei e o tempo também passou.  Agora eu não sinto mais nada, já é tarde, parei, estou cansada!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Eu sinto que sinto... e não invento, nem minto


Amei, amei muito, amo e amarei mais ainda! Amei  e amo sem vergonha de errar. Amei e amo  porque acho o amor um sentimento nobre e escasso naqueles que são pobres de espírito, e esse não é o meu caso.Está faltando amor em nosso Espaço.  Amo meus  filhos, meus irmãos, meus animais, meus amigos, o ar que respiro, meus parentes de todos os graus, minhas músicas prediletas, minhas relíquias diletas, meus temores, e até meus desamores. Paradoxo, não??? Mas eu sou  assim. Conheça um pouco de mim. Eu sinto que sinto e te juro; não minto. 
               Não importa!!!!!!!! Valorizo o ser humano, a beleza, a natureza. Nesse assunto não quero ser qualificada de covarde.  Amar, amar e amar sem mesquinhez. Amar aos poucos ou de uma só vez.
               Amei demasiadamente pessoas  que julguei, erradamente,  que me amariam na mesma intensidade que eu.......... e quebrei a cara. Amei julgando que o amor me levaria a ter companhia, parceria pelo resto de minha vida mas só tive por uns tantos dias............. e quebrei a cara. Amei, amores passados e o Passado,  Amei o Presente, os  amores ausentes............... e quebrei a cara. Continuo amando e sigo em frente! Não desisto simplesmente. Não quero desacreditar no amor. Quero viver na ilusão de que ele, esse insistente amor,  pode ser eterno quando verdadeiro, sincero e   intrigante.Ora perene, ora inconstante. Sou romântica, sonhadora e renitente e, se  por isso eu me der mau  e  de novo,  quebrar a cara ..........kkkkk..... mesmo assim... continuarei amando e vierei contente.
                    Morrerei amando, pessoas reais, pessoas que imagino, que fantasio, que construo em minha mente. Qualidades de um conhecido com a de outros que nem conheci, de uns que li em livros, que vi em revistas, admirei em gibis,  que acompanhei em filmes  assistidos, outros só contados ao pé do ouvido, de casos que li em jornais e outros sabidos em fatos descritos e que foram leais e juntarei tudo num Frankstein criado de retalhos de amores desejados, sentidos, chorados, perdidos, achados, renovados, desencontrados, mas, acima de tudo, amados.
                     Me entristece a covardia daqueles que não se entregam, que não amam só pelo medo de sofrer.Agem assim e deixam de viver, por omissão fazem a quem os amam padecerem. Se eu morrer hoje, certamente morrerei amando. Morrerei cheia de amores.    Ah!!! E de muitas dores de amores!!! Levarei, certamente, as lembranas geradas por tantos  fracassos, por sentimentos conjugados, uns apenas, na  primeira pessoa do singular. Muitos amores velados, outros aclamados e declarados. Quais, quem e o quê??? Ah! Isso pouco importa!!!! Nem mesmo eu saberia dar essa resposta. Amo a vida, me amo, amo a Deus que me deu esse jeito escancarado de querer  amar as pessoas, embora muitas vezes isso me doa. Amo o tempo, o mar, o firmamento, amo o sol, a lua, as cores, o vento e seus açoites, a música e a noite. Amo o silêncio, o barulho e a alegria.
                  Amo o  tanto que respiro e só pararei de amar quando em meus pulmões não restar nem um sopro de ar, para eu dar o último suspiro de amor, seja por uma pessoa, uma simples  flor, por um minúsculo e intrépido  beija-flor, ou pelo som de um leve beijo em meu ouvido. Por qualquer uma dessas coisas a vida pra mim terá feito sentido. O  amor.......sempre o Amor!!!!  

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Corrente de amigos

           Fico triste quando ouço, leio ou vejo pessoas  que dizem que contam os amigos que têm nos dedos da mão. Pergunto-me onde estão os que conviveram com eles  na infãncia, adolescênia, vizinhança,  no trabalho, na escola,  enfim, em tantos e tantos lugares onde encontramos pessoas e firmamos laços. Por onde andaram essas estranhas criaturas??. Sei que não sou exceção por me faltarem dedos para contar as tantas pessoas tão importantes na minha vida. Algumas arregimentadas, acolhidas em tempos tão longínquos que nos confundimos se somos amigos ou se somos irmães e irmãos. Outros laços formados recentemente  e nem por isso de importância menor, são  como os demais, amigos indispensáveis, conquistas memoráveis, tão importante quanto as demais.
              Nem falo dos meus filhos, netos, genro e noras. Esses são um caso a parte. Eles são minha vida, a minha continuação, são meus tesouros. Não que meus amigos não os sejam, nem que eles não sejam meus grandes amigos. Mas é que entre família a coisa é mais de entranhas, de gestação, de laços sanguineos, de cordões umbilicais e da sorte e da Dádiva divina  explícitas  nas escolhas que os meus  filhos fizeram de seus pares.. Eles  me deram filhas e filho em vez de noras e genro e  e diamantes em forma de netos.
          Pra mim amizade "é coisa pra se guardar no lado esquerdo do peito", como diz o poeta e completo a frase: guardadas pra eternidade. Não é coisa descartável que hora está conosco, ao nosso lado e depois amassamos e jogamos na lata do lixo.
          Cada amigo ou amiga, tem uma parte da história da minha vida contida, guardada, presenciada, compartilhada, para numa hora qualquer ser contada, ou serem silenciadas pois foram  coisas ditas em segredo guardadas a sete chaves relatadas em confiana por sermos grandes amigos. Muitas delas que as vezes nem eu me lembrava  e que eles contam em detalhes fazendo tudo vir  à tona, como um filme de verdade.
            E se nos reunimos num número grande de amigos, aí... sei não... saem coisas do arco da velha.!!! Coisas engraçadas, coisas comoventes, momentos tão importantes em que eles estavam presentes.  Aí rimos, choramos de alegria, as vezes de emoção. São momentos tão importantes que fazem um bem enorme pra todos nós. Declaramos nos amarmos recíprocamente..
            Os meus amigos também têm muitos amigos. Formamos uma enorme tribo. Somos, como costumo dizer, farinha do mesmo saco, jarro do mesmo molde mas de materiais diferentes. Somos o que somos e não precisamor fingir, respeitamos uns aos outros e somoso diferentes. Passamos tempos sem nos ver mas a alegria do reencontro preenche todo vazio do tempo em que estivemos distantes. Pra nós o que vale são os laços que nos unem, que nos ligaram para sempre.
                    Alguém  aí tem dedos  pra emprestar pra gente? queremos contar quantos somos, quantos elos formam nossa corrente.  

Um álbum chamado Felicidade

Devíamos nos acostumar que a vida segue o caminho dela e não somos nós os únicos a dirigí-la. Tantas lutas, tantas vitórias e derrotas que não decorrem apenas de nós. Felizmente, e apesar disso tudo, continuamos sonhando e acreditando que chegaremos onde planejávamos. Agora, por outros caminhos que não os traçados lá na frente. Mas sempre haverão novos caminhos, mas nem sempre escolheremos o que nos levará direto ao nosso alvo. A vida é assim! Hoje vivo uma vida totalmente díspare com meus sonhos. Sujeito-me a ela para evitar transtornos maiores. Conforto-me na certeza que nada é eterno e que um dia terá um fim. Desejaria que fosse o que eu sonho mas a vida é quase absoluta. Ela dita as regras. Essa de que cada um faz seu destino é balela. Cada um deve, sim, lutar pelo que deseja  mas certos de que  nem sempre alcançamos aquilo pelo qual lutamos ou às vezes até alcançamos para perdê-lo mais na frente. Estendo isso às coisas sentimentais, materiais e até espirituais, porque por mais fé que tenhamos e orações que façamos os pedidos nem sempre são satisfeitos. Só recebemos o que merecemos, dizem. Mas me questiono muito sobre isso. Busco justificativa para certas coisas que passei e que passo que, a meu mero julgamento, não consigo descobrir onde errei para merecê-los. Assim,  diante de um fracaço refaço meu plano de voo. Traço novas rotas, novas metas e mesmo avisando à torre de comando que irei seguí-las não tenho a certeza de que elas serão cumpridas na íntegra. Nem  sempre somos avisados, com antecedência, das mudanças climáticas e de súbito nos surgem verdadeiros vendavais.
         Espero continuar confiante, sonhadora, desacomodada  e inconformada com as derrotas. Assim me     manterei sempre   firme,    no propósito de alcançar a tão sonhada felicidade, mesmo sabendo que ela não é eterna. A felicidade são momentos e quero vivê-los e juntá-los para que formem um álbum ao modelo daqueles álbuns de fotografia de antigamente,  para que nos meus dias finais eu possa contemplar suas páginas e recordar a  felicidade estampada em   cada cena  que retratará a    alegria dos belos momentos  que desfrutei. Eles saltarão do álbum como mágica e serão vislumbrados  ente lágrimas  que escorrerão sinalizando a saudade latente em meu coração. E    a despeito delas,    os   meus lábios  teimarão em esboçar um sorriso, ante as lembranças que surgirão como se fossem slides.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Voltar no Tempo

Agora bateu uma melancolia,
uma angústia, uma agonia
Uma vontade que fosse outro dia
Não esse que  hoje estou a existir
Fosse um dia há nove anos atrás
qualquer dia da semana
Segunda, terça... tanto faz
Queria que fosse no comecinho de setembro
Ela ainda estaria lá
Na varanda do apartamento
Com olhos brilhando feito estrela no firmamento,
Anciosa  me esperando chegar

Nossos encontros eram sempre grandes momentos
Daríamos um abraço apertado, um beijinho selado
Era assim que costumavamos nos cumprimentar
Mas hoje é hoje... é só lembrança, não adianta
Hoje é só saudade eterna esperança, certeza plena
Que um dia voltaremos a nos abraçar.
Até lá mamãe!!!!

domingo, 28 de agosto de 2011

A Grande Valsa

               Farei um convite a vocês: Dancemos todos uma Danúbio Azul, a maravilhosa valsa de Strauss. De forma imaginária, rodopiando pela vida, aporveitando cada minuto para admirarmos o que nos cerca, o que encanta antes da nossa partida. 
                Uma festa engalanada com todas as coisa belas, com quais Deus nos agraciou. Decorador  de um palco lindo colorido,florido e diverso. Ele nos colocou num Salão de Festa Magistral, com um público imenso a observar nossos passos, nossos volteios, nossos rodopios. De alguns até recebemos elogios e outros até riem dos nossos descompassos.
               Imaginemos  gorgeios dos pássaros dos nossos jardins, dos nossos quintais ou das varandas dos nossos apartamentos como sons de músicos que tocam violinos afinados  e que nos impulsionam a valsar. Complementado pela melodia das águas, que purificam a gente e tornam a música diferente. Um coral se junta para compor a Orquestra: o burburinho de nossos filhos reunidos em festa, os lindos risos dos nossos netos, os nossos próprios risos quando reunidos com os que são nossos amigos o riso dos nossos ente queridos, dos que nos são diletos. Tudo é valsa aos nossos ouvidos.
              Tantos se foram desse baile, sem pré-aviso, antes da hora combinada, alguns sem sequer serem percebidos, uns indiferente, outros odiados, e tantos muito queridos. 
             Valsemos sempre....sozinhos ou acompanhados, tanto faz, valsemos!!! Convidarei alguém para dançar comigo!
               Se vocês estiverem sozinhos, não liguem, valsem diferente, pois o que importa são os pares que carregamos em nossas mentes, os que estão a nossa frente nem sempre estão no compasso, nem sempre acompanham a gente, sequer sabem dos nossos passos.Valsemos com os que ficam em  nossos corações e o com som que ecoa em nossos ouvidos, com o pulsar dos nossos corações.
                Nossos velhos amores, nossos amores atuais ou mesmo aqueles com os quais, na verdade, nunca compartilhamos nossas vidas, mas  a quem um dia nós contamos nossas dores, nossos rancores, dedicamos nossos amores.... os que  em nossas mentes  são ou foram nossos pares ideais, nossas notas iguais.
                A valsa pede três compassos, um olhar, mão na mão, corpos eretos, cabeça erguida, muita elegância, uma certa distância para dar mais brilho aos passos dados, aos volteios às cabeças delicadamente balançadas; igual como devemos caminhar na vida. Lembrando sempre de não trombar com o casal do lado!
                A valsa é curta, não sabemos ao certo quando vamos parar. Não temos ideia   de quando vamos ser impedidos de dançar ou mesmo  quando vamos esquecer que a música está tocando. Quando ficaremos parados, deitados ou mesmo imobilizados em uma cadeira, assistindo aos outros usufruirem da música tão bela, ou se seremos retirados do baile sem sequer sermos avisados...... simplesmente seremos afastados, sem dar tempo de um furtivo piscar de olho  ao ser amado,   um breve aceno ou uma simples despedida.  
               Valsemos num baile para o qual   recebemos convites diferentes, viemos e encontramos um monte de gente já dançando no salão e   uma valsa suave tocando no ambiente nos convida a estarmos sempre contentes, cordiais, formando belos pares, lindos casais ou pessoas sozinhas que dançam pelo  simples prazer de dançar
           Valsemos.... valsemos muito, muito porque o baile é belo, mas pra nós ele  não é eterno!!!  
           Dele, quando saírmos, só levaremos as lembranças dos sons que ouvimos, o calor dos pares com os quais dividimos....... a música tão suave e serena que mesmo com nossa saída continuará a tocar........ e o soar das palmas dos que nos assitiram.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O melhor pra mim

Desmistifico aqui a certeza de que amar a si prória basta. Pra mim não! Eu quero mais. Me amo tanto que desejo pra mim o melhor:VOCÊ.
 Quero o querer completo, cheio de racíproca, de sussuros, de afeto.
 Quero troca de olhares, de segredos, de verdades, de sabores, de anseios, de sentir-me no paraíso.
 Quero estar no teu colo, sentir teu cheiro, teu consolo, teu apoio, teu sorriso.
 Quero ser teu melhor canto  de repouso, de parada,  ser sua meta de chegada, ser seu tudo, sua estrada.
  Quero o todo do qual somos cada um a metade, quero matar a saudade num abraço apertado.
  Temos feitiço, compromisso de afeto, não dito assim de modo explícito... direto, mas subentendido.
  Te quero por tanto amor existido, carregado, comprimido, em dois corações vividos, sofridos, incompreendidos.
Interrompidos pelo tempo, afastados, compelidos ao esquecimento nunca existido
 Identificados apenas um com o outro, pela troca de energia, pela nostalgia das lembranças de um tempo passado, fatos vividos, condensados.
Compilados em livros fictos empilhados nas  prateleiras empoeiradas das recordações mais raras.. mais caras... mais queridas... nas melhores recordações de nossas vidas.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

O amor mais antigo

                                                      
                         Meu     Amor.................
.........sabe? Eu não podia deixar de te escrever isso. Por propósito eu tinha me imposto um castigo de não te escrever ou tentar telefonar pra você enquanto não partisse de você a iniciativa de me procurar. Tolice, criancice, bobagem de uma pessoa adulta.! É o que deves estar pensado agora!! Mas é que eu, apesar de ter aprendido com a vida que nunca devemos deixar passar as oportunidades de dizermos às pessoas que nos são caras que as amamos, resolvi ficar acomulando essas declarações e despejá-las quando sentisse que eu também era lembrada por você. Na maioria das vezes eu o instigava, escrevendo-lhe cartas, e você as respondia, algumas vezes, outras não. Elas nunca vinham de você espontaneamente!!! Tolice, infantilidade, sei lá! Só sei que foi assim kkkkkk Ouví-lo foi um susto, não espera uma ligação sua naquela hora.. Fiquei muito contente em ouví-lo, apesar de você estar às voltas com outros afazeres que o fizeram desligar rapidamente.Se o tempo foi pouco, foi curto demais,não importa! Falei contigo, ouvi sua voz, matei a saudade um pouco. Um dia, não sei quando, você vai ter uma idéia da exata dimensão do meu amor por você, do tanto que sinto a sua falta, enfim, da importância que você tem em minha vida.
            Te amo, te amo, te amo.
 Você é meu pensamento diário,
 Meu rumo, o meu intinerário
Minhas lembranças constantes, excitantes, inquietantes.
Você, você.... só você.
Não quero mais amar ninguém em minha vida,
Nem ninguém  só pra sarar a ferida
De sabê-lo aí e eu aqui.
Mas o nosso céu é o mesmo,
Vou te contar um segredo,
Tem dias que viro estrela
Subo o mais alto que posso, só pra te ver de espreita
Pra acalantar a saudade que comigo se deita
O sol que me aquece é o mesmo que te queima
Eu sou a aranha você a teia, armada faz muito tempo
Me prego, me mexo, eu me rendo.
Tento soltar-me mas não consigo.
Eu só sei que estou em você e você está comigo.
Te amo, meu ser mais querido, meu vírus, meu garoto meu amor mais antigo. Bjs !!!
                                            

domingo, 7 de agosto de 2011

Perdoar faz parte da Vida

Um dia você aprende que... Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa a aprender que be...ijos não são contratos e presentes não são promessas. E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão. Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo. E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam...E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la, por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais. Descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destrui-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você é na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher. Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos. Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que você mesmo pode ser. Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto. Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve. Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados. Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências. Aprende que paciência requer muita prática. Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se. Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou. Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha. Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso. Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não lhe dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar isso. Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo. Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado. Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás. Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores. E você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida! Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar. Willian Shakespeare

terça-feira, 26 de julho de 2011

Pedaços de mim


Eu sou feito de                            
Sonhos interrompidos
detalhes despercebidos
amores mal resolvidos

Sou feito de
Choros sem ter razão
pessoas no coração
atos por impulsão

Sinto falta de
Lugares que não conheci
experiências que não vivi
momentos que já esqueci

Eu sou
Amor e carinho constante
distraída até o bastante
não paro por instante


Tive noites mal dormidas
perdi pessoas muito queridas
cumpri coisas não-prometidas

Muitas vezes eu
Desisti sem mesmo tentar
pensei em fugir,para não enfrentar
sorri para não chorar

Eu sinto pelas
Coisas que não mudei
amizades que não cultivei
aqueles que eu julguei
coisas que eu falei

Tenho saudade
De pessoas que fui conhecendo
lembranças que fui esquecendo
amigos que acabei perdendo
Mas continuo vivendo e aprendendo.
Martha Medeiros

domingo, 24 de julho de 2011

Conselhos de Artur da Távola

                                
Aos que não casaram,
Aos que vão casar,
Aos que acabaram de casar,
Aos que pensam em se separar,
Aos que acabaram de se separar.
Aos que pensam em voltar...

Não existem vários tipos de amor, assim como não existem três tipos de saudades, quatro de ódio, seis espécies de inveja.
O AMOR É ÚNICO,
como qualquer sentimento, seja ele destinado a familiares, ao cônjuge ou a Deus.

A diferença é que, como entre marido e mulher não há laços de sangue,
A SEDUÇÃO
tem que ser ininterrupta...

Por não haver nenhuma garantia de durabilidade, qualquer alteração no tom de voz nos fragiliza, e de cobrança em cobrança, acabamos por sepultar uma relação que poderia
SER ETERNA

Casaram. Te amo pra lá, te amo pra cá. Lindo, mas insustentável. O sucesso de um casamento exige mais do que declarações românticas.
Entre duas pessoas que resolvem dividir o mesmo teto, tem que haver muito mais do que amor, e às vezes, nem necessita de um amor tão intenso. É preciso que haja, antes de mais nada,
RESPEITO.
Agressões zero.

Disposição para ouvir argumentos alheios. Alguma paciência... Amor só, não basta. Não pode haver competição. Nem comparações. Tem que ter jogo de cintura, para acatar regras que não foram previamente combinadas. Tem que haver
BOM HUMOR
para enfrentar imprevistos, acessos de carência, infantilidades.
Tem que saber levar.

Amar só é pouco.
Tem que haver inteligência. Um cérebro programado para enfrentar tensões pré-menstruais, rejeições, demissões inesperadas, contas para pagar.
Tem que ter disciplina para educar filhos, dar exemplo, não gritar.
Tem que ter um bom psiquiatra. Não adianta, apenas, amar.

Entre casais que se unem , visando à longevidade do matrimônio, tem que haver um pouco de silêncio, amigos de infância, vida própria, um tempo pra cada um.
Tem que haver confiança. Certa camaradagem, às vezes fingir que não viu, fazer de conta que não escutou. É preciso entender que união não significa, necessariamente, fusão.
E que amar "solamente", não basta.

Entre homens e mulheres que acham que
O AMOR É SÓ POESIA,
tem que haver discernimento, pé no chão, racionalidade. Tem que saber que o amor pode ser bom pode durar para sempre, mas que sozinho não dá conta do recado.

O amor é grande, mas não são dois.
Tem que saber se aquele amor faz bem ou não, se não fizer bem, não é amor. É preciso convocar uma turma de sentimentos para amparar esse amor que carrega o ônus da onipotência.
O amor até pode nos bastar, mas ele próprio não se basta.

Um bom Amor aos que já têm!
Um bom encontro aos que procuram!
E felicidades a todos nós!

TER OU NÃO TER NAMORADO



Quem não tem namorado é alguém que tirou férias não remuneradas de si mesmo.
Namorado é a mais difícil das conquistas.
Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia. Paquera, gabiru, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão, é fácil.
Mas namorado, mesmo, é muito difícil. Namorado não precisa ser o mais bonito, mas ser aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio e quase desmaia pedindo proteção. A proteção não precisa ser parruda, decidida; ou bandoleira basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição.
Quem não tem namorado é quem não tem amor é quem não sabe o gosto de namorar. Há quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento e dois amantes; mesmo assim pode não ter nenhum namorado.
Não tem namorado quem não sabe o gosto de chuva, cinema sessão das duas, medo do pai, sanduíche de padaria ou drible no trabalho.
Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar sorvete ou lagartixa e quem ama sem alegria.
Não tem namorado quem faz pacto de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de durar.
Não tem namorado quem não sabe o valor de mãos dadas; de carinho escondido na hora em que passa o filme; de flor catada no muro e entregue de repente; de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque lida bem devagar; de gargalhada quando fala junto ou descobre meia rasgada; de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo alado, tapete mágico ou foguete interplanetário.
Não tem namorado quem não gosta de dormir agarrado, de fazer cesta abraçado, fazer compra junto.
Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor, nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele, abobalhados de alegria pela lucidez do amor.
Não tem namorado quem não redescobre a criança própria e a do amado e sai com ela para parques, fliperamas, beira - d'água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical da Metro.
Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos; quem gosta sem curtir; quem curte sem aprofundar.
Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada, ou meio-dia do dia de sol em plena praia cheia de rivais.
Não tem namorado quem ama sem se dedicar; quem namora sem brincar; quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.
Não tem namorado quem confunde solidão com ficar sozinho e em paz.
Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.
Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando duzentos quilos de grilos e medos, ponha a saia mais leve, aquela de chita e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim.
Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela. Ponha intenções de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteria.
Se você não tem namorado é porque ainda não enlouqueceu aquele pouquinho necessário a fazer a vida parar e de repente parecer que faz sentido. ENLOU-CRESÇA.
Artur da Távola

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Quer saber? Eu sou assim

Quer sabem quem eu sou, quer me conhecer de verdade? Olhe-me nos olhos, leia meu sorriso, observe meu caminhar, escute o tom da minha voz, pise nos meus calos, ofenda aos que amo, marque um encontro comigo e falte, veja um idoso e o maltrate ou chegue em mim e me destrate. Ah! Eu viro uma fera! Quer ser meu amigo??? Caminhe ao meu lado, confidencie-me coisas ou não diga nada, tenha paciência para escutar minhas queixas, sorria comigo, diga-me onde erro, aceite minhas críticas se elas forem  verdadeiras. Não  me peça para calar se puxo conversa com alguém desconhecido, se troco receitas ou jogo conversa fora, se falo abobrinhas, se sorriu sem conseguir parar,  se tomo as dores dos que estimo, se a quem amo eu falo sem cessar. Quer me elogiar?? Não olhe as minhas vestimentas, observe minhas atitudes, busque a minha ajuda quando dela necessitar. Não analise  minha forma física, avalie o tanto de tempo que  posso caminhar ao seu lado enquanto você necessitar de companhia, ouça as minhas conversas tolas só pra te dar alegria, Sinta o calor de meus braços quando te envolvo encantada pelo fato de te encontrar.Veja meu lado menina, mesmo já sendo madura, mantido a custas de risos que ninaram meu amadurecer para ele tardar em despertar. Madura estaria enchendo-me de "isso não pode", "isso é feio", "isso não é pra minha idade", "isso não posso fazer". Criança, sou sincera, brinco, não me critico, mantenho, sim, o senso de ridículo, porque é da minha personalidade; falo a verdade tentando não magoar. Quer saber mais de mim?? Gosto de música, de pular no pula-pula, de literatura, de pintar e de bordar, cozinhar pra muita gente, gosto de casa cheia, de entra e sai de amigos e parentes. Amo amar, adoro meus filhos os filhos dos meus filhos e aos que os ajudaram a gerá-los; meu genro e noras queridos. Amo os meus irmãos, meus parentes, meus amigos, aqueles que convivem comigo e os que estão longe também, na mesma intensidade. Adoro plantas, flores, animais. Recatada, eu?? Não sou nem um pouco.Introvertida??Pra mim"essa palavra tem nome de marca de jeans.kkkkkk Falo é feito uma matraca, compensando as horas isoladas que passo durante os dias que fico sozinha, calada em casa,sem ter com quem conversar; chega a me dar agonia. Ah! E fico num pé e noutro, louca que chegue alguém pra eu colocar pra fora tanto das coisas que calei. Da vida dos outros não tomo conhecimento, cada um que cuide de si. Detesto ingratidão, hipocrisia, falsidade, inveja, falta de capacidade, desonestidade, desumanidade e expurgo a traição. Sou assim, como me descrevo e sou de verdade.Não sou flor que se colha, muito menos que se cheire. Amiga de todas as horas, com erros e acertos cometidos, com quedas e tropeções sofridos, supapos e gritos levados, com alegrias e decepções vividas. Mas sigo em frente, sem vergonha de chorar, seja sozinha ou na frente de um monte de gente.  Tento  agir de forma decente. Sou sensível me magoo facilmente, afinal não sou demente.Sou feita de carne e osso como qualquer um.Sou rica de amigos, milionária pela família na qual nasci e pela que Deus me deu.Tenho muito a agradecer. Sou cheia de Amor e de amar. Agora.... conta bancária.... aí a coisa fica preta..... vamos mudando de assunto,  aí não dá pra comentar.Só contabilizo sentimentos, sorrisos e conhecimentos..Nasci nua e estou vestida, alguns dizem até que me visto bem. Por ter vergonha, não faço vergonha a seu ninguém, como minha mamãe me ensinou. Ensinou-me também a não levar desaforos pra casa; bateu levou. e se não batia apanhava quando chegava em casa. Não tenho um pingo de mêdo do perigo e muito menos do que vem  aí pela frente. Procuro dar um sentido a minha vida, vivo aprendendo a viver. Sempre tenho mais e mais pra saber.
 Eu me amo muito e sou muito gente, sou livre, estou  viva,  oxente!!!!!Vou tocando minha vida pra frente até quando deus quiser.

Correr Riscos

"Rir é correr o risco de parecer tolo .
Chorar é correr o risco de parecer sentimental.
Estender a mão é correr o risco de se envolver.
Expor seus sentimentos é correr o risco de mostrar seu verdadeiro eu.
Defender seus  idéias diante da multidão é correr o risco de perder as pessoas
Amar é correr o risco de não ser correspondido.
Viver é correr o risco de morrer.
Confiar é correr o risco de se decepcionar.
Tentar é correr o risco de fracassar.
Mas devemos correr os riscos, porque o maior perigo é não arriscar nada.
Há pessoas que não correm nenhum risco, não faz nada, não têm nada e não são nada.
Elas podem até evitar sofrimentos e desilusões, mas não conseguem nada, não sentem nada, não mudam, não crescem, não amam, não vivem .
Acorrentadas por suas atitudes, elas viram escravas, privam-se de sua liberdade.
Somente a pessoa que corre risco é livre".
                                                                                     Soren Kierkgaard